Arquivo para european actress

Virna Lisi

Posted in atrizes de Hollywood, Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , , , on 04/05/2014 by ilustratordesign

Virna Lisi when giovane
Nascida Virna Lisa Pieralisi, em Ancona, Marche, Itália, no dia 08 de Setembro de 1937, Virna Lisi é uma atriz vencedora do César. Nos anos 50, fez teatro. Durante os anos 60, fez comédias e também participou de produções na TV.  Em Hollywood, os produtores buscavam uma nova figura com o tipo de Marilyn Monroe e por isso ela acabou fazendo as comédias “How to Murder Your Wife” (1965) e “Not with My Wife, You Don’t!” (1966).  Chegou a ser chamada para fazer o papel de “Barbarella” (1968) mas não aceitou. Para apagar a imagem de mulher sedutora, Virna Lisi procurou por novos papéis, de mulher má ou amante mais velha. A partir daí, fez, entre outros filmes, “Casanova 70″ , “Le bambole” (1965),“Arabella” (1967) e “Le dolci signore” (1968). Pelo filme “La Reine Margot” (1994), Lisi ganhou os prêmios César e o de Cannes.  Em 2002, Lisi estrelou seu último filme “Il più bel giorno della mia vita”.

Anúncios

Virna Lisi

Posted in atrizes de Hollywood, Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , , on 30/04/2014 by ilustratordesign

Virna Lisi red modified modified
Nascida Virna Lisa Pieralisi, em Ancona, Marche, Itália, no dia 08 de Setembro de 1937, Virna Lisi é uma atriz vencedora do César. Nos anos 50, fez teatro. Durante os anos 60, fez comédias e também participou de produções na TV.  Em Hollywood, os produtores buscavam uma nova figura com o tipo de Marilyn Monroe e por isso ela acabou fazendo as comédias “How to Murder Your Wife” (1965) e “Not with My Wife, You Don’t!” (1966).  Chegou a ser chamada para fazer o papel de “Barbarella” (1968) mas não aceitou. Para apagar a imagem de mulher sedutora, Virna Lisi procurou por novos papéis, de mulher má ou amante mais velha. A partir daí, fez, entre outros filmes, “Casanova 70″ , “Le bambole” (1965),“Arabella” (1967) e “Le dolci signore” (1968). Pelo filme “La Reine Margot” (1994), Lisi ganhou os prêmios César e o de Cannes.  Em 2002, Lisi estrelou seu último filme “Il più bel giorno della mia vita”.

Maria de Medeiros

Posted in Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , , , , on 27/04/2014 by ilustratordesign

Maria de Medeiros red
Maria de Medeiros Esteves Victorino de Almeida nasceu em 19 de agosto de 1965, em Lisboa, Portugal. Filha do maestro António Vitorino de Almeida e de Maria Armanda de Saint-Maurice Ferreira Esteves, jornalista, tem uma irmã mais nova, a também atriz Inês de Medeiros. A avó materna, Odette de Saint-Maurice, era escritora juvenil e autora radiofônica. Passou a infância na Áustria, regressando a Portugal após o 25 de Abril de 1974. Em Lisboa, frequentou o Lyceé Français Charles Lepierre. Também em Paris, a atriz iniciou uma nunca terminada licenciatura em Filosofia, na Universidade de Sorbonne, frequentou a École Nationale Superieure des Arts et Techniques du Théatre e o Conservatoire National d’Art de Paris. Fluente em seis diomas, está radicada em Paris. Com a encenadora Brigitte Jacques — que a dirigiu em espetáculos como A Morte de Pompeu, de Pierre Corneille ou Elvire Jouvet 40, de Louis Jouvet — iniciou definitivamente a sua carreira como atriz, primeiro no teatro, depois no cinema. Contudo a sua estreia no cinema ocorreu durante a juventude, com a participação no filme Silvestre, do diretor João César Monteiro (1982). Henry e June (1990), de Philip Kaufman, onde contracenou com Fred Ward e Uma Thurman, e Pulp Fiction, de Quentin Tarantino (1994), no qual atuou ao lado de Bruce Willis, John Travolta e Samuel L. Jackson. É reconhecida como a mais internacional das atrizes portuguesas. Participou também de A Divina Comédia, de Manoel de Oliveira (1991), Huevos de Oro, de Bigas Lunas (1993), Três Irmãos, de Teresa Villaverde (1994) (que lhe valeu os prêmios de Melhor Atriz no Festival de Veneza e no Festival de Cancún), Adão e Eva, de Joaquim Leitão (1995) (Globo de Ouro como Melhor Atriz) e O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria Jr. (2001).

Romy Schneider

Posted in Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , , on 23/04/2014 by ilustratordesign

Romy Schneider young modified
Nascida Rosemarie Magdelena Albach-Retty,  Romy Schneider foi uma atriz austríaca, nascida em Viena, no dia  23 de setembro de 1938 e falecida em Paris, no dia 26 de maio de 1982. Chegou a ser noiva do ator Alain Delon, mas casou-se, primeiramente, com  Harry Meyen e, depois, com Daniel Biasini. Atuou no cinema europeu, principalmente em filmes franceses. Romy trabalhou com os melhores diretores, como Claude Chabrol, Claude Sautet, Joseph Losey, Costa-Gavras. Andrzej Zulawski e Bertrand Tavernier, e teve como pares, além de Alain Delon, Yves Montad, Jack Lemmon, Michel Piccoli, Peter O’toole, Antony Quinn, Jean Claude Brialy, Jean-Louis Trintignant, dentre outros. Seu último filme foi  O bar da última esperança, de 1981. Ganhou o César (Prêmio do cinema francês) como melhor atriz em 1975 (O importante é amar) e em 1978 (Une histoire simple).

Hayley Mills

Posted in atrizes de Hollywood, Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , on 17/03/2014 by ilustratordesign

Hayley Mills.color modified
Hayley Catherine Rose Vivian Mills (18 de abril de 1946) é uma atriz inglesa, filha mais jovem do ator John Mills e da escritora Mary Hayley Bell, que protagonizou o filme Pollyanna em 1960, produzido pelos estúdios de Walt Disney e baseado num best Seller. Sua comovente atuação fez com que, no ano seguinte, a Academia lhe concedesse um Oscar numa categoria juvenil criada especialmente para ela.
Hayley é a irmã mais nova da atriz Juliet Mills, que participa da série norte-americana para TV Passions e representou Nanny em Nanny e o Professor.

Claudia Cardinale

Posted in atrizes de Hollywood, Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , on 08/03/2014 by ilustratordesign

claudia-cardinale.recolorized
Claudia Cardinale (nascida em 15 de abril de 1938) é uma atriz italiana, e já apareceu em alguns dos filmes mais importantes da Europa de 1960 e 1970. A maioria de seus filmes foram, ou italianos, ou franceses. Permaneceu ativa através das décadas. Seus últimos trabalhoss incluem Qui comincia l’avventura (1975), Fitzcarraldo (1982),Un homme amoureux (1987), Mayrig (1991), Li chiamarono … briganti! (1999), e mais recentemente, Senhoras e Senhores Deputados (2002). Recebeu prêmios importantes em festivais no Canadá, França, Itália, Espanha, Portugal, Turquia, Armênia, Rússia, Bulgária, Egito, Tunísia, Marrocos, Austrália, Reino Unido e EUA. Leitores do jornal Los Angeles Times, em uma votação online (fevereiro 2011), consideraram-na a sétima mulher mais bonita da história do cinema.

Anita Ekberg

Posted in atrizes de Hollywood, Atrizes Europeias Não de Hollywood with tags , , , , , , , , , , on 24/02/2014 by ilustratordesign

Anita Ekberg 1956 love modified
Kerstin Anita Marianne Ekberg (nome de batismo de Anita Ekberg), (Malmö, 29 de setembro de 1931) é uma atriz, miss, modelo e sexy symbol  sueca da década de 1960, assim conhecida após sua aparição no filme A Doce Vida, obra-prima do cineasta italiano Federico Fellini. Anita ficou famosa nos Estados Unidos após uma turnê feita com o comediante Bob Hope, em que substituiu Marilyn Monroe, doente, transmitida nacionalmente pela televisão. Na metade da década, ela começou a trabalhar para outros estúdios e foi contratada pela Paramount Pictures para trabalhar com Jerry Lewis e Dean Martin em Artistas e Modelos (1955) e Ou Vai Ou Racha que lhe deram grande projeção popular. No mesmo ano, ela foi para a Europa filmar com o diretor King Vidor, na versão de Guerra e Paz, em que fez o segundo papel feminino depois de Audrey Hepburn. Depois de alguns filmes menores até o fim da década, ela finalmente teve a chance de fazer o filme que a tornaria um ícone, quando foi convidada por Federico Fellini para viver Sylvia, famosa atriz sueco-americana em A Doce Vida. O filme foi um grande sucesso de público e crítica e sua cena noturna na Fontana di Trevi, banhando-se num vestido de noite negro, tornou-se um dos mais icônicos momentos da história do cinema.